Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Facebook Mestrado PRU


Facebook DCSPT



calendário

Abril 2013

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Visitas

Visitas

Pesquisar

 


Thematic Group of AESOP, Planning and Complexity - Program of the 11th meeting (Aveiro, 2nd & 3rd of May)

Domingo, 28.04.13


Program of the 11th meeting

2nd & 3rd of May 2013

University of Aveiro, Department of Social, Political and Territorial Sciences

(venue: Senate Room / Sala do Senado)


Thursday, the 2nd of May:

14.00 h Welcome by Paulo Silva (chair organizing committee)

14.10 h Opening speech

14.30 h 1st set of papers

Ulysses Sengupta, Eric Cheung

Incorporating Informal Patterns: New Computational Approaches aimed at Integration of Socio-Spatial and Temporal Aspects of Self Organisation in Mumbai, within Future Co-ordinated Planning Strategies

Jenni Partanen

Empirical Indicators for Self-Organisation

Jorge Batista e Silva, José Antunes Ferreira

Intelligent cities and intelligent plans: how to foster self-organisation?

16.00 h coffee break

16.30 h 2nd set of papers

Beitske Boonstra

Co-housing as self-organisation in spatial development: mapping the trajectories of becoming of four Danish co-housing initiatives

Ward Rauws, Gert de Roo

Cohousing, self-organization in Dutch urban planning practice?

José Carlos Mota

The added value of city civic movements in local spatial planning policies: Discussing the case of Aveiro, Portugal

Oswald Devisch, Oscar Rommens, Joris Van Reusel

Towards a culture of urban improvisation – reconstructions of the interplay of private and public initiatives in spatial transformation processes

18.30 h Closing


Friday, the 3rd of May:

09.00 h 3rd set of papers

Sara Levy, Karel Martens, Rob van der Heijden

Networks, Markets and Hierarchies: how different governance modes organize urban development

Matthias Loepfe, Christina Zweifel, Lineo Devechi

On emergence and power of strategies: exploring the relations between strategic planning and urban development in Switzerland

Helena Farrall, Lia Vasconcelos

Planning for Urban Panarchy or Panarchy in Urban Planning?

10.30 h coffee break

11.00 h Keynote

Keynote speaker prof. Francis Heylighen 

12.30 h lunch break

13.30 h 4th set of presentations

Sharon Ackerman

Applying principles from Complex Adaptive Systems theory towards urban planning strategies: A test case that replaces the design of urban objects with the choreography of urban processes.

Paulo Silva

Spatial planning systems: emergence and co-evolution involving illegal settlers, institutional, planning and spatial design

Sara Levy, Karel Martens, Rob van der Heijden

Just a little patience: an agent-based model of the effect of a planning institution on residential patterns

Kyunghyun Baek

Urban Design as a multi-actors involved incremental process: a complex theories (self-organisation) perspective

15.30 h Closing session and drinks

 

more information: Paulo Silva (paulosilva@ua.pt)

Autoria e outros dados (tags, etc)

CRÓNICA #04 DA - Em louvor do campo – que regresso a que mundo rural em tempos de crise? E que consequências?

Sexta-feira, 26.04.13

Nos últimos dois anos, temos frequentemente escutado, por parte dos governantes nacionais, inúmeros discursos em louvor do campo. Estes têm enfatizado tanto a necessidade de revitalizar uma parte do território que fomos perdendo e desqualificando, paradoxalmente devido à negligência política, como impelido os jovens a regressar à atividade agrícola, apresentada quase sempre como dura, mas digna e nobre, numa altura em que se reduzem os apoios no âmbito da Política Agrícola Comum e em que não existe (uma vez mais devido à negligência política) uma estratégia nacional para o desenvolvimento da agricultura e do mundo rural.

É fácil inscrever tais discursos em outras ideologias de um passado ainda (lamentavelmente) recente – o conservadorismo ruralista de Salazar e do Estado Novo. É fácil também conotar tais discursos com os tempos de miséria económica e social que a vida no campo representava e que as gerações mais idosas ainda carregam seguramente no corpo e na memória. Apesar disso, tais discursos merecem alguma reflexão, sobretudo por parte de quem planeia o território, pelas oportunidades e pelos constrangimentos que poderão representar, numa época de crise e num mundo rural estruturalmente em crise.

A chamada crise do mundo rural é antiga, em muitas regiões periféricas da Europa, em particular nos países do sul. Esta crise tem sido marcada por uma progressiva dissociação do rural da agricultura, sobretudo evidente nos quase 50% do território nacional que pode ser classificado como rural de baixa densidade. Neste, a atividade agrícola assume um papel económico muito residual e um papel social e de manutenção das paisagens ainda relevante, sobretudo para suprir as necessidades de recreio e lazer da população urbana. Neste, a crise é também de identidade, marcada por perdas populacionais dramáticas e, surpreendentemente, ainda em curso, pelo envelhecimento da população, pela fragilização das estruturas e dinâmicas sociais, pela desestruturação da sua base económica (este rural já não é agrícola, mas ainda não é outra coisa) e pelas crescentes perdas em termos de serviços e equipamentos. Ao mesmo tempo, nas últimas duas ou três décadas, este rural adquiriu novas funções e conheceu uma nova valorização, social e institucional. De lugar de produção passou a lugar de consumo, a lugar que cada vez mais parece encontrar a sua razão de ser nas funções de recreio e de lazer.

No atual cenário de crise global vale a pena também refletir nisto: nesta passagem da produção ao consumo e deste, atualmente e pelo menos nos discursos dos nossos governantes, novamente à produção. Ainda vamos a tempo de recuperar o que fomos desconstruindo? A crise do mundo rural parece poder acentuar-se no quadro da crise financeira e económica mais global, por um lado, porque se trata de um mundo que é cada vez menos rural e cada vez mais construído para os urbanos; por outro lado, porque as áreas mais remotas verão a sua degradação e o seu abandono acentuar-se; finalmente, porque são hoje menores os apoios em termos de estratégias e medidas para o seu desenvolvimento. Bastará o recente louvor do campo para reverter estas tendências?

Em Portugal, não é possível, pelo menos para já, saber quantas pessoas estão efetivamente a regressar ao campo em consequência direta da crise que atravessamos. No entanto, apesar de parecerem ainda residuais, estes movimentos de retorno parecem caracterizar-se por uma grande diversidade. Assim, aparentemente, diferentes pessoas regressam a diferentes áreas rurais, por razões também diferentes. Por um lado, encontramos os urbanos, com maiores recursos financeiros e escolares, que regressam para empreender um novo estilo de vida (e.g. os Novos Povoadores) e novas atividades, frequentemente dirigidas a outros urbanos. Regressam tendencialmente a áreas menos marginalizadas, onde a agricultura apresenta ainda alguma viabilidade, onde a procura turística é uma certeza, onde existem ainda serviços e equipamentos, onde a acessibilidade não é um problema. Desenvolvem atividades relacionadas com o turismo, os produtos agrícolas ‘de qualidade’ e o artesanato ‘de design’.

Por outro lado, encontramos os urbanos menos escolarizados, sem recursos económicos, que ficaram desempregados e procuram nas antigas explorações agrícolas familiares uma garantia de subsistência. Regressam com muita frequência às áreas mais remotas, as mesmas de onde saíram pelas difíceis condições de vida, nos anos 50 e 60, os seus avós ou os seus pais. Regressam sem recursos e excluídos a um mundo rural ele mesmo excluído e marginalizado, onde parece faltar tudo, mesmo os serviços e equipamentos mais básicos. Este regresso representa um retorno a uma atividade agrícola de subsistência, pobre e não subvencionada. Um regresso ao tal passado que enforma alguns discursos políticos de hoje – ser pobrezinho, mas honrado, praticando em duras condições uma atividade sem futuro, num território esquecido.

Diante destes dois cenários (e tendo presente que existirão outros), vale a pena refletir sobre algumas questões comuns: quantas destas pessoas e quantas destas atividades poderão as áreas rurais nacionais efetivamente suportar? Quantas destas pessoas efetivamente se fixarão nestas áreas, quando e se a crise passar e outras oportunidades surgirem nas cidades? Talvez fosse importante pensar nisto antes de louvar o campo e no sentido de encontrar estratégias (finalmente) eficazes de o desenvolver.

 


Elisabete Figueiredo, socióloga, professora auxiliar no Departamento de Ciências Sociais Políticas e do Território da Universidade de Aveiro, coordenadora do projeto RURAL MATTERS – Significados do Rural em Portugal – entre as representações sociais, os consumos e as estratégias de desenvolvimento (PTDC/CS-GEO/117967/2010) (elisa@ua.pt)

Autoria e outros dados (tags, etc)

CIÊNCIAS SOCIAIS, POLÍTICAS E DO TERRITÓRIO

Quarta-feira, 24.04.13

CANDIDATURAS 1.ª FASE (6-17 MAIO 2013)
Mais informações:
http://www.ua.pt/dcspt/
https://www.facebook.com/DCSPT

Autoria e outros dados (tags, etc)

CRÓNICA D.A. #03 - REGENERAÇÃO DO CENTRO DE AVEIRO: CONSOLIDAR É PRECISO!

Terça-feira, 16.04.13

CRÓNICA D.A. #03 

Frederico Moura e Sá (fredericomsa@ua.pt)

 

Os centros tradicionais das cidades foram ao longo das últimas décadas perdendo alguma importância. Genericamente, este fenómeno foi particularmente motivado pelo aparecimento de novas centralidades periféricas (cuja competitividade é assegurada sobretudo por níveis superiores de acessibilidade motorizada).

Curiosamente, no centro de Aveiro, este fenómeno não ocorreu da mesma forma, ou pelo menos, não com a mesma intensidade. Isto porque foram surgindo dinâmicas positivas de revitalização que vieram contribuir para o reforço do centro no quadro da cidade alargada. Na verdade, tratou-se de um processo iniciado no final da década de noventa, de afirmação de um “novo centro”, mais alargado (no "arco": Canal do Côjo, Fórum, Praça da República, Rossio e zona da Praça do Peixe), que foi decisivo para o ajustamento do centro às novas dinâmicas de crescimento urbano (associadas em particular à afirmação da Universidade, do turismo e de um novo terciário).

O mais peculiar é que toda esta dinâmica aconteceu deixando de parte os dois elementos que constituem o “ponto nevrálgico” da cidade: a Ponte Praça e o topo poente da Avenida. Apesar do alargado consenso em torno do seu valor estruturante na organização e no funcionamento da cidade, o que se verifica é que estes dois espaços estão em declínio. Na verdade, ao não acompanharem as dinâmicas de transformação e de mudança dos espaços envolventes, estes espaços (pela indefinição do seu papel no novo contexto urbano) constituem hoje uma forte contingência à estruturação e dinamização de todo o centro de Aveiro.

Neste sentido, e ainda que seja necessária melhor articulação com a estrutura urbana e ecológica envolvente (em particular, com a Ria), a afirmação plena do centro de Aveiro, está sobretudo dependente da capacidade de inverter a tendência degenerativa e de perda que marca a Ponte Praça e o topo poente da Avenida. Eles constituem o “centro do centro”, e a sua qualificação é essencial pelo seu valor estruturante, simbólico e funcional, mas também porque assegurará a necessária consolidação e colmatação de todo o espaço central da cidade.

Importa ainda sublinhar que o desenho de uma estratégia alargada de regeneração urbana para o centro de Aveiro exige abordagens complementares que, em síntese, devem promover:

  • Ao nível da mobilidade: um sistema de transporte coletivo integrado e eficiente (com destaque para o potencial das Buga, para a estação ferroviária, e para a oportunidade de gerar na sua envolvente um centro intermodal de transportes); uma política de estacionamento e um modelo de circulação global para a cidade, capaz de induzir maior racionalidade na utilização do carro (reduzindo efeitos nefastos do tráfego de atravessamento no centro); mais conforto e segurança (quer pela qualificação das infraestruturas, quer pela diminuição do diferencial de velocidades entre utilizadores do espaço público) para os modos suaves (fundamentalmente para o peão).
  • O reforço da dimensão habitacional e uma mistura ativa de usos/funções (recorrendo para o efeito à criação de uma Área de Reabilitação Urbana).
  • Maior relação entre o Centro, a Ria e os canais da Ria (tirando partido das dinâmicas recentes de fruição (passeios de moliceiro) e do seu potencial ecológico e paisagístico).
  • Uma política de animação do espaço público envolvendo conjunto alargado de atores, de forma a criar atratividade e diferenciação suplementar nos espaços com maior vocação para o efeito (o Rossio, o topo poente da Avenida, a frente do Mercado, as margens do Canal do Côjo, e as Praças Melo Freitas, do Peixe e da Estação).

Autoria e outros dados (tags, etc)

CRÓNICA D.A. #02 - Valorizar o território

Terça-feira, 09.04.13

 

CRÓNICA D.A. #02 

(publicado hoje no Diário de Aveiro)

 

A forma como temos vindo a pensar o futuro do país, o seu desenvolvimento e a identificação de apostas, tem padecido de alguns erros de perspectiva. Primeiro, o facto dos sucessivos governos terem uma fé excessiva nas virtualidades do nível central da condução da política pública, desvalorizando, de forma recorrente, o papel da escala regional e local (cidades e municípios). A essa circunstância acresce uma observação distante da realidade, que tende a tomar o país de forma homogénea, sem valorizar as diferenças e especificidades. Por fim, ao longo da história, a acção pública tem-se apoiado excessivamente nos ciclos repetidos de abundância de recursos públicos (das colónias à Europa), sem uma avaliação atempada sobre a sua utilidade e impacto da sua aplicação; ou seja, sem uma estratégia desenhada a priori. Para além disso, o fácil acesso a financiamento público e privado induziu na sociedade portuguesa e no Estado uma cultura pouco eficiente na gestão dos recursos financeiros.

A crise actual e a falta de recursos financeiros públicos estão a ter um efeito devastador, sobretudo no que concerne à dificuldade do Estado em responder às suas responsabilidades, com consequências significativas na vida da população (habitação, alimentação, saúde, educação e emprego). Contudo, para além dessa incapacidade, assiste-se a outro efeito preocupante: a criação de uma ambiência paralisadora e desresponsabilizadora da acção pública. E se ao nível nacional esse efeito se sente de forma significativa, o efeito à escala local é particularmente preocupante, sobretudo pelo contágio aos actores e dinâmicas locais.

O momento em que vivemos é um desafio à capacidade de liderança nacional nestes tempos atribulados, mas pode ser também uma enorme oportunidade para um novo quadro de relação entre o poder central e o local e uma motivação para os responsáveis autárquicos repensarem a forma como olham para os seus territórios e como constroem políticas públicas municipais.

O planeamento à escala municipal assume, hoje em dia, um papel decisivo na resposta aos desafios da sociedade contemporânea, seja na procura de respostas de proximidade, com uma perspectiva estratégica e de planeamento, seja na capacidade de articular um olhar global com acção local, seja ainda na capacidade de aprofundamento da legitimidade da acção colectiva, através de novas formas de democracia participativa e de promoção de verdadeira cidadania.

Perante o quadro actual de escassez de recursos financeiros públicos, o potencial transformativo dos territórios (em particular das cidades) e do poder local só será concretizado se as lideranças locais forem capazes de mobilizar e articular outros recursos menos escassos que as comunidades dispõem e que nem sempre têm sabido valorizar ou potenciar. Para isso é fundamental conceber um conjunto de políticas articuladas que saibam valorizar o conhecimento científico, técnico e empírico sobre as cidades e os seus recursos, potenciar os espaços físicos devolutos e/ou desaproveitados, sobretudo das suas áreas centrais e históricas, e articular as múltiplas redes de proximidade e as capacidades cívicas e institucionais.

Acontece que os decisores e actores locais têm destes recursos uma visão parcelar ou fragmentada, o que tende a contribuir para a sua desvalorização. Torna-se por isso necessário produzir o seu adequado mapeamento e sistematização para permitir construir colaborativamente uma nova narrativa sobre as questões críticas locais, valorizando esses recursos, e com isso produzir um outro tipo de políticas.

Num momento em que se perspectiva um novo ciclo autárquico, está aqui um importante desafio para afirmar o novo papel da escala local no futuro do país, mas também para criar palcos para novas lideranças locais que tenham capacidade de pensar colectivamente o futuro dos bairros, freguesias, cidades ou municípios, e de ‘fazer melhor com os recursos disponíveis’! 

 

José Carlos Mota (jcmota@ua.pt), investigador e docente no DCSPT – Universidade de Aveiro

Autoria e outros dados (tags, etc)


PRU

2012-11-21_2353.png





subscrever feeds